Ex-mulher de Naldo ataca Moranguinho na Web

Branka Silva, ex-mulher de Naldo, usa as redes sociais para atacar Moranguinho.

Em um post feito nesta terça-feira, no Instagram, ela compartilha o print de uma imagem em que Moranguinho (como Ellen é conhecida) aparece com um homem, que seria “apontado pela polícia como o chefão da prostituição de luzxo em Angola”, e outras duas mulheres. Na legenda da imagem, Branka detona: “A coitada não sou bem eu”.

Em seguida, a ex-mulher de Naldo diz que sempre trabalhou muito e se compara com Ellen. “Já você tem que se lembrar de onde veio, o que fazia e o que você é”, escreveu.

A minha vida com o Pablo foi bem diferente da sua. Não larguei ele com a minha mãe. Cuide dos seus filhos. Deixa que do meu Deus está cuidando. Ah, e sempre trabalhei: decoradora de festas, garçonete, recreadora de creche, produtora geral artístic, camelô, costureira, lava-jato, fotógrafa, taxista. Hoje sou motorista executiva. Nunca ganhei 10 mil reais para ficar em casa né??? Mas esse mundão que não para de girar mostrou a verdade dessa história. Para que está feio!”, finaliza Branka.

Moranguinho está separada de Naldo desde que foi à polícia, denunciar o cantor por agressão.

Ex-mulher de Naldo ataca Moranguinho na web

Naldo e a ex-mulher quando ainda eram jovens

fonte: EXTRA

Jonathan Costa relata agressão por seguranças em show: Fui discriminado por ser funkeiro

Uma confusão tomou conta de um show que Jonathan Costa realizou na madrugada desta sexta-feira, em Nova Friburgo, Região Serrana do Rio. Nas imagens divulgados pelo próprio funkeiro no Instagram, ele aparece sendo agredido por seguranças e expulso do palco.

Segundo a assessoria de imprensa do funkeiro, Jonathan foi contratado para se apresentar às 2h30 da manhã na casa de shows Via Expressa, mas que lá ele foi informado que o alvará do evento permitia que a festa fosse até às 2h e que o som teria que ser baixo. O funkeiro, que subiu ao palco na hora combinada, então, decidiu parar com o show, pois, segundo ele, não havia condições de tocar naquelas condições. O cantor afirma que sugeriu continuar no palco até cumprir as horas de apresentação combinada em contrato e ainda propôs ao público pedir à organização da festa o dinheiro do ingresso de volta. Ainda de acordo com Jonathan, o organizador do evento ficou irritado com a decisão de ele não querer fazer com o som baixo e ordenou que os seguranças retirassem o funkeiro do palco.

“Não consigo acreditar no tamanho da discriminação e violência que eu passei ontem à noite em Friburgo. Fui agredido em cima do palco, fazendo o meu trabalho!”, desabafou ele na legenda do vídeo (assista acima). “Os seguranças vieram com muita violência para cima de mim e da minha equipe, vieram pra matar”.

“Um pai de dois filhos, que sai para trabalhar, e não sabe se volta pra casa. Assim que chegamos ao evento de ontem, os contratantes pediram para que eu tocasse num volume um pouco mais baixo, quase som ambiente – só depois eu fiquei sabendo que era porque o alvará do evento só valia até as 2h da manhã. Eram 3.000 pessoas cantando comigo, que foram ali para me ver tocar… E eu tive que parar o som porque não alcançava todo mundo e com o passar da apresentação eles iam abaixando cada vez mais. Não era a apresentação que o público esperava e nem a metade do que é show. Foi quando eu avisei ao público que iria parar de tocar, mas ficaria ali com eles até o final do horário da apresentação, em respeito a eles”, escreveu ele.

Foi nesse momento, segundo o funkeiro, que os seguranças entraram para retirar Jonathan do palco.

“Eu sugeri que, já que não teve apresentação, que eles poderiam reivindicar o valor pago no ingresso. Foi quando os seguranças vieram com muita violência para cima de mim e da minha equipe, vieram pra matar. Quase me mataram! O público começou a gritar ‘Não à agressão’, a jogar gelo nos homens que me agrediam e minha equipe e alguns até subiram no palco para tentar me defender. Foi uma covardia!”.

O filho da vereadora Verônica Costa disse que a confusão só acabou após a chegada da polícia:

“Só parou porque um policial militar chegou a tempo, me reconheceu e deu a ordem para me soltarem. Se a polícia militar não estivesse na redondeza para efetuar o mandato do alvará de som, poderia ter acontecido coisa pior. Senti a morte chegar… Depois de passar por um momento tão feliz de reconhecimento internacional do nosso funk há uma semana num evento importante em Paris, tenho que passar uma situação dessa aqui no nosso país. Fui discriminado por ser FUNKEIRO. Me agrediram na frente de mais de 3.000 pessoas por eu ser DJ de FUNK. E não sei o que mais me revolta: ser agredido fazendo o meu trabalho ou ser desvalorizado no único lugar do mundo que deveria ter respeito e orgulho de sua cultura”.

Funkeiro registra queixa

Segundo a assessoria de imprensa de Jonathan, a confusão aconteceu por volta das 3h da manhã e o funkeiro registrou queixa de agressão na 151 DP, em Nova Friburgo. Ainda de acordo com o representante do artista, os seguranças teriam pedido desculpas a Jonathan pelo ocorrido. A assessoria de imprensa da Polícia Civil confirmou o Boletim de Ocorrência.

“A 151ª DP (Nova Friburgo) vai instaurar procedimento policial para apurar a conduta dos seguranças”, diz um comunicado.

fon te: EXTRA